Produtividade: está na hora de se mexer

04/04/2016

Produtividade é um fator determinante para o desenvolvimento econômico do país e para o fortalecimento da indústria nacional. Seu cálculo é feito com base na divisão do PIB pela população economicamente ativa do país, medindo o nível de contribuição individual para geração de renda. O resultado da conta brasileira não é bom e nos deixa atrás de diversos países desenvolvidos e emergentes. Se levarmos em conta o atual momento da economia brasileira, a questão se torna ainda mais preocupante.
 
De acordo com o BID, se a melhoria na produtividade do trabalho no Brasil entre 1960 e 2011 fosse equivalente à dos EUA, a atual renda per capita seria 54% maior. O IPEA mostrou que em 2014 a diferença da produtividade do Brasil para as nações desenvolvidas era de 300%. Em 1980 o trabalhador brasileiro produzia 771% a mais do que o trabalhador chinês. Em 2013 a porcentagem caiu para 82%, segundo o Conference Board.
 
O baixo aumento na produtividade brasileira nas últimas décadas pode ser explicado pelo elevado Custo Brasil. A crescente carga tributária brasileira (que subiu de 22,39% em 1986 para 35,42% em 2014) aliada à burocracia excessiva impõe dificuldades ao desenvolvimento dos negócios. Infraestrutura deficiente, problemas de formação de capital, pouca integração governamental com as cadeias produtivas e baixo desenvolvimento de atividades de maior agregação de valor ajudam a compor o conjunto de dificuldades que encarecem o investimento no Brasil.
 
Para melhorar a infraestrutura são necessários investimentos de longo prazo, e dada a imprevisibilidade regulatória e insegurança jurídica percebida pelo mercado, o país não consegue atrair um volume de investimentos necessários para modernização dos portos, melhoria das estradas, maior utilização do transporte fluvial e de cabotagem. Para resolver esse problema, muitas empresas têm investido em parcerias na implantação de terminais portuários próprios e novas tecnologias como sistemas de otimização logística.
 
O capital investido é outro fator determinante para o crescimento da produtividade. Grande parte das empresas não utilizam linhas de crédito especiais e bancos de fomento. Isso faz com que o custo do capital seja elevado e restrinja a expansão dos investimentos. As companhias precisam se organizar e criar planos de negócio que direcionem os investimentos a serem executados, além de elaborarem um modelo de governança financeira que controle os principais indicadores de desempenho e fluxo de caixa, reduzindo o risco da operação.
 
Outro ponto importante para geração de riqueza e produtividade é o foco nas atividades de maior geração de valor. Se pensarmos no ciclo de desenvolvimento de produtos e serviços, a primeira etapa é de alta geração de valor e consiste nas práticas de inovação, pesquisa e desenvolvimento e design.
 
Por último, e com importância central, é preciso investir em educação, na formação de pessoas e na geração de conhecimento. Como essa é uma função central do Estado, mas ele não a cumpre de forma satisfatória, as empresas precisam suprir este gap assumindo um papel importante no desenvolvimento de seus colaboradores. Desenvolvimento de universidades corporativas e práticas de gestão do conhecimento, treinamentos e, principalmente, dar poder de execução e decisão para os colaboradores e colocá-los como responsáveis centrais pela produtividade são etapas importantes deste processo.
 
Associações de classe, governo, trabalhadores, empresários e os demais envolvidos devem trabalhar com uma visão de médio e longo prazo e criar políticas integradas de desenvolvimento. As empresas não podem esperar, precisam ser agentes ativos neste processo de transformação, inovando em seu modelo de negócio e disseminando a importância do aumento de produtividade como foco primário de crescimento.
 
A jornada de melhoria da produtividade está apenas começando. O momento político e econômico do país não é fácil, mas o único caminho é se mexer e rápido. Aproveitar o período de crise para fortalecer os negócios e ser mais produtivo é o segredo para crescer de forma sustentável, empreender e desenvolver as empresas e o Brasil.

Por Aluizio Faria

 

Mais notícias